Fique por Dentro

 

Notícias e Eventos

20/04/2018

Novo porto com 1.750 empregos

Foi dado ontem pelo governo do Estado o sinal verde para a construção de um novo porto em Aracruz, na região Norte do Espirito Santo. A Imetame Logística Porto vai abrir 1.750 vagas de emprego, sendo 650 durante a obra e o restante na operação.

 A previsão é de que as obras sejam iniciadas em seis meses, ou seja, até Outubro. Inicialmente devem ser abertas 350 vagas de emprego, chegando a 650 no pico das obras.

 Ontem, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) assinou a nova licença de instalação. Agora são aguardadas outras liberações em âmbito federal da construção na parte marítima, cuja estimativa do grupo é que saia em até seis meses.

 Quando a empresa começar a operação, o que deve acontecer em 2021, serão abertos 640 empregos diretos ao longo do crescimento das operações e volume, que podem chegar a 1.100 contratações.

 Com o investimento inicial de R$ 590 milhões, o porto vai operar no recebimento e escoamento de cargas offshore, carga em geral, contêineres e granéis sólidos, líquidos e gasosos. Informações de bastidores e o prefeito de Aracruz, Jones Cavaglieri, apontam, porém, que o investimento pode ser maior e chegar a uma cifra bilionária.

 A expectativa é de receber navios de grande porte como o post Panamax 2, de 366 metros, que atualmente não consegue aportar e nenhum porto brasileiro por conta do calado (profundidade da quilha do navio até a superfície).

 Para implantar o porto, a empresa já começou a terraplanagem e a construção de galpões e conta com uma equipe trabalhando no local.

 “Aracruz é muito bem suprida desse tipo de profissionais e nós privilegiamos a mão de obra local. Temos muita gente que foi treinada no município  e está precisando de uma oportunidade para trabalhar”, comentou o administrador da Imetame, Etore Cavallieri, que aposta no treinamento de profissionais dentro da própria empresa.

 O diretor comercial do grupo, Anderson Carvalho, explicou que divulgados posteriormente, mas adiantou que as contratações devem começar de  dois a três meses antes do inicio da obra.

 “A prioridade será para profissionais que moram em Aracruz e em cidades vizinhas, entre as quais Fundão, João Neiva, Ibiraçu, além dos bairros litorâneos”

Investimento

 O porto da Imetame, em Aracruz, obteve a licença de instalação ontem pelo Iema. O investimento inicial é de R$ 590 milhões.

Inicio das Obras e Operações

A previsão é de que as obras comecem nos próximos seis meses.

 Já a operação está  prevista para 2021.

Empregos

Obras

 Na fase de implantação serão gerados 350 empregos diretos com pico de 650.

As contratações devem começar entre dois meses a três meses antes do inicio da obra.

Entre os profissionais que serão demandados estão pedreiro, pintor, carpinteiro, ajudante de pedreiro, engenheiro elétrico, encarregado, técnico de segurança do trabalho, entre outros.

Operação

 Já durante operação, a previsão é de sejam abertos 640 empregos diretos, com pico de 1.100 contratações.

Serão contratados especialistas da atividade portuária, como engenheiros, técnicos, operadores de guindastes, mecânicos, eletricistas, motoristas, profissionais administrativos, analista operacional, analista administrativo, supervisores de operação, entre outros.

Contratações

 Os detalhes do processo seletivo tanto para a fase de obras como de operação serão anunciados posteriormente.

Capacidade

 Com capacidade para aportar navios de grande porte, o porto é planejado para receber e escoar cargas geral, contêineres, apoio offshore e granéis sólidos, líquidos e gasosos.

Cargas

 A carga mais demandada é o offshore, uma vez que a indústria do petróleo voltou a crescer, mas as cargas de granito, café, granéis líquidos e sólidos oferecem grande demanda.

Profundidade

 O projeto do porto conta com a profundidade do calado de 16 metros. Em algumas áreas, a profundidade terá 19 metros. Isso vai permitir que navios de grande porte, como o grande conteineiro Post Panamax de 366 metros.

 A retroárea do porto é de aproximadamente 800 mil metros quadrados, dividido em duas áreas: uma de mais de 350 mil metros quadrados e outra de mais de 400mil metros quadrados.

 Essas Retroáreas têm a capacidade de movimentar até 700 mil TEUs (medida-padrão utilizada para calcular o volume de um contêineres).

Chegada dos navios

 A previsão é de que, a partir do movimento que a obra for licenciada a construção seja concluída em dois anos e meio, com a chegada dos primeiros navios no porto.

 

A dragagem já será feita na profundidade final do projeto que será dividido em etapas de obra.

Na primeira, será construído um único berço de 450 metros para receber os navios. Na segunda fase serão construídas mais dois berços, um de430 metros e outro de 800 metros para aportar navios.

Essa expansão será feita de acordo com a necessidade de aumentar a capacidade de recebimento e escoamento de cargas e já tem projeto de engenharia pronto.

Com inicio da operação do porto, a expectativa é receber as cargas que são descarregadas em portos dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

Cronologia

O porto de Imetame começou a ser pensado em 2011, mas só pode começar o planejamento após o Decreto do Governo Federal que alterou as regras sobre poligonal dos portos no país.

Antes do Decreto, o Portocel não podia ampliar o espaço e a Imetame também não podia construir um porto novo. A mudança no decreto saiu em 2015.

Terminal tem potencial de sediar indústrias e usinas

 Como parte do investimento anunciado ontem com licença ambiental para o porto da Imetame, em Aracruz, Norte do Estado, o administrador da empresa, Etore Cavallieri, destacou a possibilidade de ocupação das retroáreas do empreendimento, que somam 800 mil metros quadrados, com característica de port-indústria.

 Essas retroáreas são vistas pelo governador Paulo Hartung como oportunidade para a construção de um polo de geração de energia a partir de gás natural. Segundo Hartung, já há interesse de empresas estrangeiras na instalação de termelétricas em Aracruz e em Presidente Kennedy, no Porto Central.

 “A gente vai poder receber gás liquefeito do mundo por esse porto. A energia termelétrica produzida ali vai abastecer todo o Espirito Santo e o Sudeste, que é a região que mais demanda essa energia  para o desenvolvimento econômico e social, de uma maneira geral.”

 E completou: “Tanto na área da Imetame quanto na do Porto Central existem grupos internacionais sondando a possibilidade. É uma conversa inicial, mas nossa área de desenvolvimento já está estudando políticas públicas para facilitar a atuação desses grupos.”

 A proposta inicial da Imetame era trabalhar só com o carregamento de cargas voltadas à atividade offshore e, segundo com Cavallieri, foi enxergada a possibilidade de expandir a  atuação de empresa no setor logístico.

 “Expandimos a empresa para a área de logística por conta de uma oportunidade. Acredito no nosso País e na recuperação da economia. O risco que estamos assumindo é calculado e entendemos um potencial de negócio forte e concreto”, afirmou.

Iema contrata para atrair empresas

 Com o intuito de aumentar a velocidade em que os empreendimento são licenciados no Estado, o governo abriu 23 vagas de efetivos para atuar no Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) e outras 20 de contrato de designação temporária, neste mês.

 O secretário de Estado de Meio Ambiente, Aladim Cerqueira, explicou que concurso vem de uma oportunidade encontrada pelo governo para sair da crise e atrair o investimento de empresas que querem se instalar no Espirito Santo.

 “Nós estamos de olho nesse momento da economia e enxergando uma janela de oportunidade em meio a crise, que está se encerrando. Existe o interesse de vários comerciantes de vir para o Espirito Santo e temos a oportunidade de oferecer a infraestrutura.”

 Com os novos profissionais, o secretário afirma que processos estruturantes do Estado, como rodovias, porto, obras costeiras e o projeto para produção de energia em Aracruz terão uma resposta mais rápida por parte do governo.

 “Nesses licenciamentos, a gente precisa dar uma resposta rápida para as empresas e isso vai fazer com que elas criem novos empregos”, finalizou.

 

 Fonte: A Tribuna, Vitória-ES, 20/04/2018, pág. 2