Fique por Dentro

 

Notícias e Eventos

01/04/2015

Mecanização da colheita em discussão no Norte

     Com o objetivo de baratear os custos da colheita do café e enfrentar a escassez de mão de obra, pelo menos cinco diferentes modelos de máquinas colheitadeiras foram testadas na região Norte do Estado, e o resultado dessas pesquisas serão expostos amanhã, em São Mateus, durante o Simpósio de Mecanização da colheita do conilon. 

     Os técnicos do Incaper explicam que o uso da tecnologia está previsto no currículo do Programa Café Sustentável(PCS).No Estado, um total de 100 propriedades já aderiram ao sistema mecanizado de colheita, que pode custar de R$40 mil a R$ 160 mil. “A maior preocupação do produtor é a falta pessoas para tirar o café da planta. E a colheita mecanizada traz 70% de economia de tempo e dinheiro”, defende o pesquisador José Antônio Lane. 
     Com o aumento da capacidade de trabalho, a colheita passa a ser realizada em um tempo bem menor, liberando as plantas mais cedo e, assim, possibilitando maior tempo de recuperação para a próxima floração. 
     Outro benefício da tecnologia é permitir a realização da colheita escalonada, por meio de cafés especiais, Com o amadurecimento dos grãos em diferentes meses do ano, o produtor não precisa colher toda a produção de uma só vez. A agilidade oferecida pela máquina também permite que o café seja retirado do pé mais maduro do que quando colhido de forma manual, fato que agrega qualidade ao produto. 

 PRODUTIVIDADE 
70% de economia
A estimativa do Incaper é de que a colheita mecanizada reduza os gastos de tempo e dinheiro em 70%.

Patrick Camporez - Economia - Agronegócios - pág.29